NotíciasTecnologia

De hacker a palestrante da Nasa, brasileiro estará na festa dos 50 anos da chegada do homem à Lua

Um recorrente meme que circula pelas redes sociais de tempos em tempos traz alguma inovação ou gambiarra tupiniquim e a provocativa legenda: "o brasileiro precisa ser estudado pela Nasa".

Wanderley de Abreu Junior parece ser a personificação literal disso, no bom sentido. Esse engenheiro mecatrônico e empresário carioca, hoje com 41 anos, tinha 12 quando ganhou um modem de aniversário dos pais. Computador ele já tinha um desde os 6 anos. O adolescente tornou-se um hacker. E, em 1997, aos 19, invadiu nada menos do que o sistema da Nasa, a agência espacial americana.

“Eles ligaram para meu pai, dizendo que haviam descoberto a invasão”, recorda ele. Wanderley de Abreu, o pai, um engenheiro do Exército brasileiro, assustou-se com o telefonema. Deu bronca no filho, disse que ele seria preso ou, na melhor das hipóteses, jamais poderia pisar em solo norte-americano.

Mas a chamada telefônica não era uma ordem de prisão nem uma notificação de processo judicial. Era um convite: a Nasa queria saber mais do brasileiro. Na realidade, notando a invasão, decidiram convidar Abreu Junior para fazer um curso na instituição, uma espécie de rehab para hackers. Era uma troca: ele explicaria as fragilidades do sistema da Nasa, as falhas de segurança que possibilitavam que gente como ele hackeasse tudo. E aprenderia o que havia de mais moderno nos laboratórios de informática da agência.

Agora, 22 anos depois, Abreu Júnior é um dos participantes de evento organizado pela empresa Google em parceria com a Nasa para celebrar os 50 anos da chegada do homem à Lua, em Nova York, nos Estados Unidos. Ele vai fazer uma palestra no evento no próximo dia 19.

Como sua empresa, a Storm Group, já tem uma parceria com a Nasa – por meio de um programa que facilita a transferência de tecnologia para startups com o objetivo de criar produtos e serviços -, Abreu Junior vai apresentar exemplos de inovações criadas pela corrida espacial que, depois, foram incorporadas ao dia a dia das pessoas. Entre os exemplos, estão o teflon, o velcro, os óculos escuros com proteção ultravioleta, os sensores de incêndio e os monitores cardíacos.

 

Da Redação – Fonte: BBC News Brasil

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo