Saúde

Dermatologista ensina a cuidar da pele no inverno

Quadros de dermatite atópica e psoríase costumam piorar na época mais fria do ano por conta de hábitos inadequados

Com a chegada do inverno, não são somente os pacientes com problemas respiratórios ou ósseos que sofrem, mas também quem possui alguma doença crônica de pele. O período de frio leva a um maior ressecamento da pele, justamente porque as pessoas costumam tomar banhos mais quentes, o que provoca danos às camadas superficiais do órgão, responsável por manter nosso organismo protegido e hidratado. 

Em geral, as partes do corpo mais afetadas são os membros inferiores, as mãos e o rosto, mas o cenário é ainda mais prejudicial para quem convive com doenças de pele. Patologias como psoríase e dermatite atópica tendem a piorar e necessitam de atenção redobrada.

Vermelhidão, placas descamativas na pele e coceira são sintomas comuns tanto na psoríase quanto na dermatite atópica. As duas condições são crônicas e inflamatórias, não contagiosas, têm influência genética e podem ser devidamente tratadas, porém conservam origens e implicações distintas.

 “Enquanto a dermatite atópica é uma doença que costuma aparecer principalmente na infância, podendo ou não persistir ao longo dos anos e está relacionada a um processo alérgico (atopia), a psoríase acontece na fase adulta e está relacionada a uma anormalidade na renovação celular”, informa a dermatologista Aline Magalhães, diretora médica da LEO Pharma.

Abaixo a Dra. Aline elenca alguns cuidados que podem ajudar no controle do ressecamento da pele no inverno:

Beber grandes quantidades de líquidos: água, chás e sucos com baixo índice glicêmico são os tipos de bebidas mais recomendados.

Utilizar hidratante após o banho: aplicar cremes e loções de hidratação específicos para peles sensíveis logo depois do banho ajudam a pele a recuperar a barreira cutânea e restaurar a oleosidade perdida devido à alta temperatura da água e o uso de sabonetes.

Proteger-se contra raios UVA e UVB: o sol pode aparecer com menos intensidade, mas os raios ultravioletas ainda causam o envelhecimento e aparecimento de manchas na pele – que podem evoluir para um quadro de câncer. O uso de filtro solar é indispensável.

Evitar a utilização de materiais abrasivos na pele: esfoliantes, toalhas ásperas e buchas também podem contribuir para a retirada da oleosidade natural e protetora da pele. Opte por materiais mais macios e realize um intervalo maior no uso de sabonetes ou cremes esfoliantes.

Manter tratamento e acompanhamento clínico: a adesão ao tratamento indicado pelo dermatologista para a doença de pele é essencial. Além disso, é necessário visitar o consultório regularmente, conforme recomendação do profissional de saúde responsável pelo caso. 

 

Sobre a LEO Pharma

Fundada em 1908, a empresa sediada na Dinamarca é referência em dermatologia clínica e opera em mais de 130 países. Controlada pela Fundação LEO Pharma, tem como missão ajudar o paciente a conquistar uma pele saudável, por meio de investimentos em pesquisa clínica para desenvolver novas soluções terapêuticas para os pacientes com doenças de pele. A farmacêutica possui mais de 5 mil colaboradores no mundo e faturou, somente em 2017, mais de 1,4 bilhões de euros.

http://www.leo-pharma.com.br/ 

 

Assessoria de imprensa da LEO Pharma no Brasil 

Karina Klinger
karina.klinger@bcw-global.com
(11) 3094-2551

Gabrielle Dowalite
gabrielle.dowalite@bcw-global.com
(11) 3094-2553

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo