Cultura

Betty Milan, Manuel da Costa Pinto e Patrícia Mello debatem sobre imigração

Desenraizamento da cultura, preconceito e simbologias são temas do debate que acontece no lançamento da obra Baal, editada pela Editora Record, da renomada psicanalista e best-seller Betty Milan, no dia 18 de junho, às 19 horas, na Livraria da Vila (Jardim Paulista).

Manuel da Costa Pinto e Patrícia Mello são convidados a discutirem a imigração de pessoas do Oriente Médio no Brasil, os problemas enfrentados na adaptação e as questões familiares. A obra também instiga o discurso da importância da rememoração e dá a entender que a memória é a condição da paz.

Serviço:

Lançamento Baal – Betty Milan (São Paulo)

Debate: Betty Milan, Manuel da Costa Pinto e Patrícia Mello (Folha de S. Paulo)

Data: 18/06

Horário: 19 horas

Local: Livraria da Vila

Endereço: Alameda Lorena, 1731 – Jardim Paulista – São Paulo

Entrada: Gratuita

Sobre a obra: Baal é uma história familiar. O patriarca e personagem principal, Omar, narra um drama sempre atual: o da imigração. No final do século XIX, quando seu melhor amigo é capturado por uma milícia para servir no exército inimigo, Omar é forçado a largar do seu país no Oriente Médio. Ao fugir da aldeia, coração partido, jura que voltará para buscar a família e a noiva. Embarca para os trópicos, atravessa o oceano e começa a vida na mascatagem, como os conterrâneos que emigraram para o Novo Mundo. Valendo-se da sua força física e da inteligência, vence as dificuldades, torna-se um próspero atacadista e constrói um palácio, Baal, «uma jóia do Oriente no Ocidente», para sua filha única, Aixa, e a família dela. Só que, depois da sua morte, os descendentes dilapidam a fortuna. O patriarca, que morreu sem poder descansar em paz por causa dos conflitos familiares, vê a guerra do país natal se repetir no país da imigração. Pervertidos pelo dinheiro e com medo do empobrecimento, os netos resolvem demolir Baal para vender só o terreno e fazer com o palácio « o negócio mais rentável ». Tiram a mãe já idosa do lugar onde ela sempre morou e a transferem com a fiel servidora e o cachorro para um cubículo. Indignado com o comportamento dos netos, Omar os culpa por não se darem conta da sua luta e do alto custo do berço de ouro que lhes proporcionou. Associa a crueldade deles à vergonha das origens. Diz que, além de xenófobos, são desmemoriados, « sucumbiram no fundo negro do esquecimento». Para se opor a isso, ele rememora a história. A rememoração o obriga, no entanto, a reconhecer os seus erros. Não se empenhou em transmitir o que aprendeu na travessia e, por preconceito em relação às mulheres, não formou a filha, para ser sua sucessora. Se valeu dela para animar Baal, o seu pequeno império tropical, e não para que o palácio continuasse a existir depois da sua morte e se tornasse o que deveria ter sido, um memorial da imigração.

Sobre a autora: Betty Milan é paulista, autora de romances, ensaios, crônicas e peças de teatro. Além de publicadas no Brasil, suas obras também circulam com selos de França, Argentina e China. Colaborou nos principais jornais brasileiros e foi colunista da Folha de S.Paulo, da Veja e da Veja.com. Trabalhou para o Parlamento Internacional dos Escritores, sediado em Estrasburgo, na França. Foi convidada de honra do Salão do Livro de Paris em 1998 e em 2015. Em 2014, representou a literatura brasileira contemporânea na Feira Internacional do Livro de Miami (EUA). Antes de se tornar escritora, formou-se em medicina pela Universidade de São Paulo, especializou-se em psicanálise na França com Jacques Lacan e fundou o Colégio Freudiano do Rio de Janeiro.

image.png
CAROLINE ARNOLD
Analista de Comunicação 

Fone : (11) 2275-6787
Celular: (11) 99996-5754 / (11) 96476-2941
Caixa Postal: 80.397
04046-973 São Paulo/SP
Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo