Comunicação

Estudo revela quais competências serão fundamentais para garantir um emprego nos próximos anos

Segundo Klaus Schwab, fundador do World Economic Forum, a quarta revolução industrial já está acontecendo e modificará drasticamente como se vive e trabalha

Muito se especula de que no futuro a maioria dos profissionais serão substituídos por máquinas e robôs superdotados de inteligência. A consultoria Boston Consulting Group prevê que daqui a 5 anos, por exemplo, até um quarto dos empregos atuais seja substituído por softwares. Já a Universidade de Oxford, no Reino Unido, aponta que cerca de 35% dos empregos do país correm o risco de serem substituídos por máquinas nos próximos 20 anos.

No entanto, não é necessário pânico. De acordo com o resultado de uma pesquisa realizada pelo World Economic Forum (WEF) que entrevistou diversos especialistas para entender o futuro do trabalho, nos próximos anos as empresas exigirão algumas competências pontuais dos seus colaboradores, para que a tecnologia caminhe de mãos dadas com os profissionais. Isso também é o que defende Rebeca Toyama, especialista em plano de carreira e desenvolvimento humano. “Cabe aos profissionais a capacitação para alcançar as competências necessárias e estarem preparados para unir tecnologia e produtividade”, defendeu a especialista.

A pesquisa realizada pela WEF serviu como base para a formação do relatório The Future of Jobs: Employment, Skills and Workforce Strategy for the Fourth Industrial Revolution (O futuro dos empregos: emprego, competências e estratégia da força de trabalho para a quarta revolução industrial, em tradução livre), que revela as 10 habilidades necessárias que os profissionais deverão ter até 2020, para não se tornarem obsoletos no mercado de trabalho.

Entre as habilidades levantadas pelo estudo, destacam-se competências como inteligência emocional, criatividade, pensamento crítico e resolução de problemas complexos, além de flexibilidade cognitiva, que é a capacidade de ampliar os modos de pensar, imaginando caminhos distintos para solucionar os problemas que surgem no cotidiano.

De acordo com Rebeca, as organizações no futuro buscarão por profissionais com habilidades únicas, que consiga usufruir das inovações tecnológicas para alcançar os resultados. “O cenário empresarial irá buscar profissionais que tenham habilidades intrínsecas aos seres humanos, habilidades essas que os distinguem e qualificam perante as máquinas que deverão saber instruir e programar”, afirmou.

Ou seja, alguns procedimentos técnicos de fato podem ser automatizados, o que contribui com mais agilidade, economia e funcionalidade ao cotidiano empresarial. Já aos colaboradores, renderá a parte mais estratégica, voltada para gestão, raciocínio lógico, criatividade, gestão de conflitos e outras competências unicamente humanas.

Sobre Rebeca Toyama

Rebeca Toyama é palestrante e formadora de líderes, coaches e mentores. Fundadora da Academia de Coaching Integrativo, coordenadora da Academia de Comportamento e Finanças da GFAI, coordenadora do Programa de Mentoring associada a Planejar (Associação Brasileira de Profissionais Financeiros) e fez parte da Comissão de Recursos Humanos do IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).

Colunista do Programa Desperta na Rádio Transamérica e do blog Positive-se, colaboradora do livro Coaching Aceleração de Resultados, Coaching para Executivos. Integra o corpo docente da pós-graduação da ALUBRAT (Associação Luso-Brasileira de Transpessoal) e Instituto Filantropia. Coach com certificação internacional em Positive Psychology Coaching e nacional em Coaching Ontológico e Personal Coaching com o Jogo da Transformação.

 

C Quatro Comunica

Bruno Laurato
Assessor de Imprensa
bruno.laurato@cquatrocomunica.com
(11) 5524-1757 / (11) 99774-2007

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Fechar