ComunicaçãoSaúde

ABCDT convoca clínicas de todo o país para o “Dia D” da Diálise

Campanha nacional mobiliza a sociedade, pacientes e o governo para a necessidade de investimentos na diálise e transplante

 

Associação Brasileira dos Centros de Diálise e Transplante (ABCDT) realizará, pelo 2º ano consecutivo, o “Dia D” da Diálise, data que marca a luta por reivindicações e melhorias para o setor. No dia 29 de agosto de 2019, centenas de clínicas promoverão ações para mobilizar a sociedade e o governo em favor de investimentos para a nefrologia, fundamental para a sobrevivência de 122 mil pacientes renais crônicos no Brasil que dependem do tratamento para manter uma vida próxima do normal.

 

Com o mote Vidas importam! A Diálise não pode parar, as principais reivindicações da ABDCT no “Dia D” são pela adequada remuneração das 700 clínicas que prestam serviços para o Sistema Único de Saúde (SUS), garantindo tratamento de qualidade e acesso para todos os pacientes renais crônicos. A Associação, portanto, convoca as clínicas, profissionais da área, pacientes e familiares a organizarem ações de mobilização do “Dia D”.

 

Yussif Ali Mere Júnior, presidente da ABCDT, convida a sociedade, empresas, redes clínicas, indústrias, médicos, equipes multidisciplinares e familiares para se mobilizarem e irem para a rua no dia 29 de agosto. “Buscamos condições mais justas para pacientes renais e colaboradores da área. Contamos com o apoio e protagonismo da população nesta luta. Juntos somos mais fortes! A Diálise não pode parar!”, destaca.

 

O presidente da ABCDT reitera que os pacientes renais crônicos dependem única e exclusivamente das sessões de hemodiálise para sobreviverem. Ele alerta que a principal preocupação da Associação quanto à constante falta de investimento e de repasse do valor das sessões de hemodiálise está ligada à menor oferta de tratamento à população: “A realidade que enfrentamos na diálise no Brasil é absolutamente incompatível com o sucesso do tratamento”.

 

As ações variam de acordo com cada cidade e com os grupos mobilizadores, mas incluem desde aferição de pressão e distribuição de folders a conversas com especialista e audiências públicas com parlamentares. Em 2018, mais de 40 cidades participaram ativamente do Dia D, sendo que 300 mil pessoas foram impactadas pelas ações e campanha digital da iniciativa.

 

Como participar

A organização e o agendamento de ações do “Dia D” são feitas pela ABDCT. Interessados em participar desta campanha devem procurar a Associação, solicitar materiais explicativos sobre os tratamentos e informar a iniciativa que deseja realizar. Mais informações estão disponíveis no site www.vidasimportam.com.brno Facebook @VidasImportam ou no IG @vidasimportam. Dúvidas podem ser esclarecidas através do e-mail abcdt@abcdt.org.br ou do telefone: (61) 3321-0663.

 

Descaso histórico

De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), 122 mil pacientes renais crônicos dependem da hemodiálise, sendo que 100 mil dialisam em clínicas privadas que prestam serviços para o SUS. O mais recente censo da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) indica que mais de 700 clínicas realizam diálise no Brasil e, atualmente, mais de 1.000 pacientes em todo o Brasil aguardam pela disponibilidade do tratamento da hemodiálise pelo setor público, devido à falta de financiamento adequado.

 

A falta de repasse do valor das sessões de hemodiálise, que ameaça o tratamento de milhares de pacientes renais, é realidade para dezenas de clínicas de diálise que prestam serviço ao SUS, oferecendo tratamento de terapia renal substitutiva para filtrar artificialmente o sangue. O atraso no repasse do pagamento da Terapia Renal Substitutiva (TRS) pelas Secretarias de Saúde estaduais e municipais aos prestadores de serviço ao SUS está entre os problemas recorrentes na nefrologia. Muitos gestores chegam a atrasar em mais de 30 dias o repasse após a liberação do recurso pelo Ministério da Saúde.

 

Outra questão está relacionada ao valor pago pelo Ministério da Saúde para o tratamento, que está abaixo do custo real e não acompanha a cotação do mercado. Grande parte dos insumos, como produtos e maquinários são importados, além de gastos com dissídios trabalhistas, folha de pagamento, água, energia e impostos. Com todas essas despesas e a grave diferença de valor, muitas clínicas ameaçam encerrar suas atividades pela falta de recursos para compra de insumos para o atendimento aos pacientes.

 

Em 2019, a ABCDT tem se esforçado para pleitear, junto ao Ministério da Saúde, que o pagamento da Terapia Renal Substitutiva (TRS) seja feito direto do Fundo Nacional de Saúde para as clínicas de diálise. A ideia é que os gestores estaduais e municipais passem a exercer apenas a atividade fiscal em relação à assistência prestada aos cidadãos.

 

A diálise peritoneal, que deveria ser uma alternativa à TRS, também passa por grave crise. Diferente da hemodiálise, que filtra o sangue através de máquina e dialisador para remover as toxinas do organismo, a diálise peritoneal realiza o tratamento dentro do corpo do paciente, por meio da colocação de um cateter flexível no abdômen para a infusão de líquido de diálise para filtrar o sangue do paciente. No entanto, a remuneração também está abaixo do custo e a situação das clínicas que oferecem os produtos e medicamentos é crítica.

 

De acordo com pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a diálise peritoneal pode representar uma economia de 5% aos cofres públicos e gerar qualidade de vida ao paciente. Entretanto, segundo a ABCDT, a terapia ainda é subutilizada pelo sistema de saúde. A entidade calcula que atualmente no Brasil pouco mais de 9 mil pacientes realizam esse tipo de tratamento.

 

Sobre a ABCDT

A Associação Brasileira dos Centros de Diálise e Transplante (ABCDT) é uma entidade de classe que representa as clínicas de diálise de todo o país. Tem como principal objetivo zelar pelos direitos e interesses de seus associados, representando-os junto aos órgãos públicos, Ministério da Saúde, Senado Federal, Câmara Federal, Secretarias Estaduais e Municipais. Também representa as clínicas e defende seus interesses individuais e coletivos.

 

 

Serviço

Dia D da Diálise – Vidas importam! A Diálise não pode parar

Data: 28/08/2019

Organização: Associação Brasileira dos Centros de Diálise e Transplante (ABCDT)

Informações: www.vidasimportam.c om.br

 

 

 

camila fernandes | director

máquinacohn&wolfe | dig deeper. imagine more.

+55 61 3701 2925 | c: +55 61 98112 2757 | website


holmes large pr agency of the year

prweek best place to work

cannes lions winner

Mostrar mais

Artigos relacionados

Fechar